Momentos económicos… e não só

About economics in general, health economics most of the time

futebol e o 2 – 2 com os Estados Unidos

4 comentários

Durante 115 minutos, contando o intervalo, ficamos especializados em treino de bancada,  e em que a esperança toma o lugar de qualquer racionalidade. E há um certo prazer nessa esperança irracional. A imprevisibilidade do jogo e de tudo o que envolve são importantes, bem como a previsibilidade de todo um trabalho prévio que tem de ser feito. A comparação entre selecções, e jogadores, acaba por ser inevitável.

Portugal não tem uma selecção magnifica, e por vezes tem jogos excepcionais com equipas grandes, mas essa não é a regra. Ganhar ao Brasil, Alemanha e França são tarefas usualmente impossíveis. Ganhar à Inglaterra e à Holanda tornou-se regular. Com a Espanha, depende dos dias, se for campeonato perdemos 1-0, se for fora de provas oficiais até ganhamos.

Calculo que nos próximos dias se vá dissecar a forma física dos jogadores – a onda de lesões, as opções de estágio, a preparação física – mas mesmo sem lesões, selecções como as de Espanha e Inglaterra também regressam a casa sem grande história para contar. Os trocadilhos com “tudo o Bento levou” vão certamente surgir e inundar as redes sociais. Suspeito que o “inconseguimento” também terá o seu papel nos comentários.

A época foi longa, e trouxe cansaço, alguns jogadores poderão ainda a estar a jogar com lesões não totalmente recuperadas, mas não acredito que não haja empenho, afinal para vários deles este será provavelmente o último campeonato do mundo em que jogam.

Mais importante, e interessante de um ponto de vista de treinador de bancada, é perceber que os treinadores das outras equipas também fazem o seu trabalho de casa – avaliam a selecção portuguesa, analisam à exaustão os videos certamente, e encontram os pontos fracos (e fortes) dos nossos jogadores e da sua forma de jogar colectivamente. E tratam de arrumar as suas equipas para esse fim. O que deixa um dilema em cada jogo ao seleccionador/treinador – ou “inventa” fugindo ao que as outras equipas esperam, ou “mantém” esperando que a qualidade individual dos jogadores consiga sobrepor-se às estratégias de anulação da forma usual de jogar da equipa portuguesa que as outras equipas adoptam.

Assim, o que mais custa ver nos jogos da selecção portuguesa é a falta de “invenção” num jogo que as outras equipas já descobriram como explorar as debilidades da equipa portuguesa, tal como perceberam como “desmontar” a equipa espanhola, com o resultado que se viu. É obviamente fácil falar como treinador de bancada, e entre o aperfeiçoar de mecanismos existentes entre os jogadores e introduzir algo novo mas imperfeito na execução, há um julgamento  a ser feito pelo treinador. Da forma como os passes têm andado a falhar, talvez a inovação devesse ganhar um pouco mais de atenção.

Assim, 0 2 – 2  com os Estados Unidos são apenas o resultado destes factores acumulados: jogadores lesionados, jogadores cansados, rotinas conhecidas e previstas pela equipa adversária, pontos fracos identificados e explorados pelos outros treinadores, e mesmo assim, no final, a alma de marcar um golo a 20 segundos do final. Não alinho por isso com a falta de empenho dos jogadores, falta algo diferente.

Em termos de teoria dos jogos, o que era uma “estratégia dominante” deixou de o ser face ao que os treinadores das outras equipas conhecem da equipa portuguesa, hora de tentar “trembling hand”? (não me atrevo a falar em “estratégias mistas”, que implicava algo mais).

Curioso que nenhum dos treinadores portugueses neste mundial teve vida fácil.

Autor: Pedro Pita Barros, professor na Nova SBE

Professor de Economia da Universidade Nova de Lisboa

4 thoughts on “futebol e o 2 – 2 com os Estados Unidos

  1. Mas, mesmo assim, Carlos Queiroz aguentou-se quase 90′ à frente da Argentina.

    Gostar

  2. Este post fez-me lembrar um livro muito giro, Arte da Guerra de Sun Tzu, ~500 BC.

    O capítulo 6 – Weaknesses and Strengths – descreve bem naquilo que colocou aqui.

    Vale a pena dar uma olhada: historicamente é um texto relevante.

    Gostar

  3. Não sou especialista, mas gosto de futebol. Discordo de algumas afirmações que faz. Por exemplo: que todas as selecções já descobriram como desmontar o futebol espanhol. A Espanha atravessa uma natural crise provocada pelo envelhecimento dos seus jogadores. A necessaria renovação verificar-se-á no próximo campeonato da Europa porque a Espanha tem um estilo de jogo perfeitamente assimilado e equipas nos escalões jovens que o praticam e que continuam a vencer torneios europeus. Já Portugal não tem um estilo que diferencie a nossa equipa das demais, depende dum jogador e, sejamos sinceros, é mediana. Causas? Muitas: clubes nacionais (os principais) que chegam a apresentar equipas sem um único jogador português, uma Liga de clubes em que vale tudo para manter o poder pessoa e, talvez o pior de tudo, uma comunicação social acéfala que anda nos meses que antecedem as grandes competições a endeusar uma equipa que sabem não corresponder ao cenário que pintam mas como essas pinturas vendem… Depois é a desilusão.

    Gostar

Deixe um momento económico para discussão...

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s