Momentos económicos… e não só

About economics in general, health economics most of the time

Programa do Governo – melhorar o desempenho e a gestão

2 comentários

Depois de um assunto complexo e muito sujeito a mal-entendidos, como foi a sustentabilidade financeira do Serviço Nacional de Saúde no texto anterior, o bloco seguinte de medidas no programa do Governo é susceptível de reunir grande consenso de princípios.

É difícil argumentar contra melhorar o desempenho e a qualidade da gestão.

A questão central, neste área, é como fazê-lo. Os princípios gerais são conhecidos:

– regras de gestão adequadas

– responsabilização da gestão pelos resultados e na medida em que estes traduzam decisões de gestão.

O programa do Governo é cauteloso ao enunciar apenas o aprofundar das concentrações a nível hospitalar. E faz bem em ter essas cautelas. Nem sempre maior dimensão significa ser mais eficiente. À noção de economias de escala a serem recolhidas com a concentração de unidades de prestação de cuidados de saúde muito pequenas tem-se que contrapor a noção de deseconomias de escala quando a dimensão é muito grande. Sem perceber, tecnicamente, qual a dimensão mínima que permite ser eficiente, juntar por juntar significa poupar em conselhos de administração para gastar muito mais do que essa poupança em disfuncionalidades das organizações. Aqui, os princípios são claros – não havendo verdades universais, é necessário análise técnica sobre a dimensão óptima mínima, e só depois pensar em concentrar (ou desmembrar, no caso de organizações demasiado grandes).

Autor: Pedro Pita Barros, professor na Nova SBE

Professor de Economia da Universidade Nova de Lisboa

2 thoughts on “Programa do Governo – melhorar o desempenho e a gestão

  1. Veremos se , com clareza e simplicidade processos e tecnologias saem da sala de recobro:))
    Ou se en vez de digestão se entra mesmo numa nova gestão.Mais “servuction oriented” e menos “mais do mesmo burocrático”.
    Quanto às concentrações, só depois de algumas operações de desintoxicação quanto a economias de escala “genéricas” que são o maior equivoco.Economias de escala sim, mas só quando as montanhas de dados “armazenados e fragmentados” permitirem passar a uma melhor gestão da informação.E das instalações.E dos pequenos feudos:))
    impõe -se o triângulo: Capacidade técnica, bom senso e trabalho em equipa.E lideres que não sejam “rainhas de Inglaterra”.
    FVRoxo

    Gostar

  2. O risco de indigestão não é pequeno com concentrações mal avaliadas, diria eu.

    Gostar

Deixe uma Resposta para Pedro Pita Barros Cancelar resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s