Momentos económicos… e não só

About economics in general, health economics most of the time

ainda em ritmo quase de férias,

5 comentários

sobre “QUANDO SE SENTE EUROPEU?” em poucas palavras, no dn de hoje,

Estando “Onde a terra se acaba e o mar começa”, sinto-me europeu quando vou de Lisboa a Berlim sem ter que mostrar identificação; quando levanto dinheiro numa caixa multibanco da mesma forma e com os mesmos custos em Coimbra, Toulouse, Barcelona ou Essen; quando entro em Espanha pela fronteira terrestre sem filas, sem verificação de passaportes, sem realização obrigatória de seguro, e sem troca de moeda.

Sinto-me europeu quando entro numa sala de aula e mais de metade dos alunos são oriundos dos quatro cantos da Europa. A fácil mobilidade, sentida e usufruída pelas gerações mais novas, é a melhor forma de construir uma identidade europeia que se adiciona, não substitui, uma identidade nacional.

A esta facilidade junta-se a liberdade política e a liberdade económica. A construção da identidade europeia tem que se fazer todos os dias, com a contribuição também de Portugal. É um esforço político, económico e social, feita de valores partilhados dentro das diferenças que existem e que nos levam a conhecer o “resto da Europa”.

Outras ideias de como se sentir europeu nos dias de hoje?

Autor: Pedro Pita Barros, professor na Nova SBE

Professor de Economia da Universidade Nova de Lisboa

5 thoughts on “ainda em ritmo quase de férias,

  1. Alem desses exemplos, sinto-me europeia quando penso que regressar à Europa é estar em casa… Quando uma viagem de comboio de 4h atravessa 3 paises… Quando todos os meus amigos falam mais de 2 idiomas…

    Gostar

  2. Muito bem! Concordo em absoluto.

    Gostar

  3. Caro Prof. Pita Barros,

    Alongando um pouco o meu comentário anterior, acho importante realçar a importância do Euro nisto tudo. A barreira, por vezes psicológica, por vezes real, de uma moeda diferente acaba por se fazer sentir. É diferente – passe os multibancos e Visas – poder ir daqui à Alemanha e ser tudo igual (menos a língua, obviamente) do que uma pessoa se ter de munir com pesetas e francos e marcos.

    Gostar

  4. “Sinto-me europeu quando entro numa sala de aula e mais de metade dos alunos são oriundos dos quatro cantos da Europa. A fácil mobilidade, sentida e usufruída pelas gerações mais novas, é a melhor forma de construir uma identidade europeia que se adiciona, não substitui, uma identidade nacional.”
    Assino por baixo. A “construção europeia”, com todos os seus defeitos, tem momentos de génio. Um dos maiores foi, a meu ver, a criação do Erasmus. Isso, e os mestrados etc que se lhe seguem (e, já agora, a crise que obriga uma parte substancial dos jovens qualificados a ir procurar um pouco mais longe de casa uma vida melhor), vai fazer mais pela Europa que todos os Tratados juntos.

    Gostar

  5. Dar aulas em inglês a alunos portugueses devido a presença de alunos de erasmus, ou ir à Croácia pré entrada na UE e perguntarem o que é sentir.me europeu , no meio de dois dedos de conversa, cortados por noticias de futebol. Ou então entrar no norte de Itália somente com o bi e ao atravessar a fronteira junto à Suíça em lugano olharem com espanto para o nosso antigo bilhete de identidade, questionando.se se seriamos efectivamente europeus. Tanta coisa que damos por garantido hj em dia e que foi difícil de conquistar e que faria sofrer milhões de pessoas , eurocepticos inclusivé, se retrocedêssemos agora.

    Gostar

Deixe um momento económico para discussão...

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s