Momentos económicos… e não só

About economics in general, health economics most of the time

IPOs e avaliação das vantagens de novos medicamentos

1 Comentário

ontem foi noticia uma queixa que surge periodicamente – houve a opção de não administrar um novo medicamento por não ter vantagem terapêutica face ao seu custo. Esta situação levanta sempre o véu sobre as opções dificeis que é necessário tomar no dia a dia no campo da saúde.

Esta é uma discussão que não é exclusivamente portuguesa, mas que em Portugal se tende a fazer pelo lado emocional apenas. Num contexto de falta de recursos, dar um medicamento novo e que implica uma despesa grande tem como consequência deixar de fazer qualquer outra coisa. E dentro das unidades de saúde, significa que é outra intervenção de saúde que deixará de ser feita. Saber se vale a pena implica conhecer os benefícios adicionais desse medicamento e também os custos em termos do que deixou de ser realizado. Por exemplo, é fácil e pouco visível cortar em prevenção e rastreio, os seus custos não são observáveis imediatamente.

Que a discussão não é simples é evidente, e o primeiro passo é saber que critérios devem estar presentes. Mas quando se fala de critérios surge a critica de se estar a “racionar”, apelando para um imaginário de escassez extrema e injusta.

Em Inglaterra começa-se agora a ter informação sobre o custo em termos de mortalidade num contexto de orçamento fixo das instituições de saúde de se introduzirem inovações que retiram verbas de outras intervenções – ver aqui.

Claro que se pode argumentar que o orçamento da saúde não deveria ser fixo, mas isso significa cortar nalgum outro lado, e então é necessário saber qual o seu custo social.

Acresce que a visão individual, de cada doente, tende a enfatizar os benefícios que pode retirar face a custos que são diluídos por muitos e frequentemente nem sequer perceptíveis.

Encontrar a forma de fazer a discussão dos critérios a usar neste tipo de decisões, e depois encontrar a forma de aplicar esses critérios, é algo que como sociedade teríamos toda a vantagem em conseguir fazer. As discussões acaloradas que periodicamente se geram não dão grande esperança quando à capacidade de o fazer. E nem sequer conseguiremos quantificar qual o custo em termos de saúde de não ter essa capacidade de organização.

Autor: Pedro Pita Barros, professor na Nova SBE

Professor de Economia da Universidade Nova de Lisboa

One thought on “IPOs e avaliação das vantagens de novos medicamentos

  1. Caro Professor

    Seja bem vindo ao nosso País.

    A questão que retrata hoje vai mais longe do que uma mera discussão; o governo tem uma comissão de peritos que admite que os novos farmacos não valem, farmaco-económicamnete falando, mais um par de meses de vida ou mesmo meia dúzia que seja, ao doente. O Governo invoca os peritos e omite a informação aos cidadãos para poderem avaliar a opinião dos peritos. Mas o engraçado, se é que tem graça, é que quando consultamos outros peritos, como os do NHS, observamos que lá, afinal os peritos aprovam ou “reaprovam” como fizeram há uns meses. Mas tudo isto é semântica quando não há dinheiro.
    A indústria farmacêutica, inimiga publica do ministério e pelo menos de alguns dirigentes do IPO, tem a solução na mão – informação credível e investimento.
    A primeira é muito díficil mas tem de ser a nova face da IF inovadora. Se porventura na investigação se viu que o produto não é tão bom como parecia ser na fase IIIa, então tem que se admitir e não vender novidade por inovação. É que antihipertensores ou coisa que os valha falhados, nem sempre dão óptimos comprimidos azuis para a disfunção eréctil.
    A segunda opção, a do investimento, depois da aprovação pelas entidades competentes, deve obedecer a um compromisso entre os pagadores e a IF – real life data, no nosso país com doentes dos IPO’s e dos hospitais com serviços de oncologia, em que, se demonstrado os resultados dos estudo que fazem parte do dossier de aprovação, o governo passa a comparticipar o novo produto.
    Acima de tudo deve haver transparência, de ambos.

    É preciso mudar.

    José Ribeiro

    Gostar

Deixe um momento económico para discussão...

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s