Momentos económicos… e não só

About economics in general, health economics most of the time

Observatório mensal da dívida dos hospitais EPE, segundo a execução orçamental (nº 33 – Janeiro de 2017)

3 comentários

Os valores da execução orçamental divulgados a 26 de Janeiro 2017 trazem, no que diz respeito à dívida dos hospitais EPE, novidade e expectativa. A dívida medida caiu substancialmente neste mês (embora não o suficiente para a colocar abaixo do valor de há um ano atrás. A novidade está em que a redução é suficientemente expressiva para o novo valor deixar de estar alinhado com a tendência passada de crescimento da dívida dos hospitais EPE. Claro que com apenas uma observação não se pode falar de mudança de dinâmica de crescimento, e só com os próximos meses teremos possibilidade de o saber.

Se este valor tiver subjacente uma alteração de tendência, a evolução no próximo mês da dívida deverá ser de crescimento inferior a 20 milhões de euros num mês, ou mesmo nova redução de dívida.

Em alternativa, se os factores estruturais que determinam a dinâmica histórica de crescimento continuarem presentes e activos, então no próximo mês ou em março, teremos um crescimento da dívida dos hospitais EPE acima ou perto dos 24 milhões de euros por mês.

Mesmo se o Ministério da Saúde não conseguiu alcançar um objectivo de baixar a dívida por comparação com o valor do mês de Dezembro referente ao ano anterior, a evolução neste final de ano acaba por anular em grande medida, mas não na totalidade, um crescimento da dívida dos hospitais EPE durante o ano anterior.

Em termos do ritmo de crescimento, com a descida do stock de dívida em dezembro de 2016, este baixou (naturalmente). Tecnicamente, a questão é saber se é um alteração de tendência ou se é, como no passado, um salto momentâneo para um valor mais baixo de dívida, seguindo-se depois um crescimento ao ritmo histórico (desde janeiro de 2013). Ou seja, se a linha de evolução, na primeira figura abaixo, que iremos observar a partir de agora é mais parecida com a linha a tracejado fino (crescimento histórico) ou com a linha descendente que ocorreu no primeiro semestre de 2015.

 

screen-shot-2017-01-26-at-23-21-34screen-shot-2017-01-26-at-23-21-59screen-shot-2017-01-26-at-23-19-55

Autor: Pedro Pita Barros, professor na Nova SBE

Professor de Economia da Universidade Nova de Lisboa

3 thoughts on “Observatório mensal da dívida dos hospitais EPE, segundo a execução orçamental (nº 33 – Janeiro de 2017)

  1. Não terá a dívida caído por termos mudado de ano e o seu pagamento já não afectar a contabilidade pública de 2016?

    Gostar

  2. não será esse efeito. Se assim fosse também nos outros anos deveria ocorrer. Houve certamente descontos de final de ano, e mecanismos similares de fim de ano.

    Gostar

  3. Para leitura: http://www.healthpowerhouse.com/publications/euro-health-consumer-index-2016/

    Pg 26-27 está a matriz dos indicadores, Fig 3.1 é tem o sumário dos rankings.

    Pag. 32 tem o gastos PPP/capita em Health care.

    Na pag 21 tem um dado interessante: Portugal é o segundo país com menor in-patient cost as % of total Health care cost. Há alguma explicação simples para isso?

    Gostar

Deixe uma Resposta para Pedro Pita Barros Cancelar resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s