Momentos económicos… e não só

About economics in general, health economics most of the time

webinars sobre saúde e digital – vivendo com o coronavirus (38)

Deixe um comentário

A semana passada tive a oportunidade de participar em duas sessões que partilharam o mesmo tema global

De manhã, a sessão promovida pela Abreu Advogados, sobre Transformação Digital da Saúde e Telemedicina, com Alexandre Valentim Lourenço e Óscar Gaspar.

De tarde, a sessão promovida pela Eurodeputada Maria Manuel Leitão Marques, sobre Digital Technologies and Artificial Intelligence for Health, com Joana Gonçalves de Sá, Leonardo Chariglione, Birgit Morlion, Christel Schaldemose, Petra de Sutter, e Carlos Morais Pires.

Ambas tocando, por caminhos diferentes, no mesmo tema – a digitalização e a transformação digital na saúde.

Destaques rápidos de cada uma destas sessões:

  1. Telemedicina – a importância da experimentação que foi feita na crise da COVID-19 para o que possa ser permanente, devendo ser aproveitada a quebra de barreiras que ocorreu (antes que voltem a surgir) de doentes, médicos e pagadores (incluindo o SNS). Apenas a ressalva, muito enfática, de que a primeira consulta de um doente com um médico ter que ser necessariamente presencial (porque há ainda aspectos nessa primeira observação que não podem ser “passados” para o campo da tecnologia).
  2. Inteligência artificial – a importância dos dados, onde se possa alicerçar as aplicações de inteligência artificial, não pode ser descurada. Houve discussão sobretudo do lado da procura – confiança dos cidadãos, e utilização dos dados; Mas há que adicionar a parte da oferta – assegurar a qualidade da recolha de dados, assegurar a sua curadoria de maneira a que as aplicações que os usam possam dar resultados “com sentido”. A importância da regulação, embora não seja claro se todos têm o mesmo entendimento do que significa, e de como deve ser estruturada.

Deixo duas sugestões de leitura, um documento do EC Expert Panel on Effective Ways of Investing in Health (versão curta aqui) e o relatório Inofarma (sobre o posicionamento de Portugal neste campo).

(as nossas visões sobre a o papel da inteligência artificial são também “moldadas” implicitamente pelo entretenimento: 38 anos separam o livro de Ian McEwan e o filme de Ridley Scott!)

Autor: Pedro Pita Barros, professor na Nova SBE

Professor de Economia da Universidade Nova de Lisboa

Deixe um momento económico para discussão...

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s